Banner Topo


Dr. Estranho | Resenha e crítica

A Marvel fez um belo filme dessa vez, respeitando muito a história e o universo do Mago Supremo da Terra. Confira!


Desde já aconselho assistir ao filme legendado (a voz de Benedict Cumberbatch faz toda a diferença), mas não recomendo que a primeira vez seja em 3D a não ser que você assista uma segunda vez em 3D pois assim poderá apreciar melhor os detalhes visuais impressionantes  do filme. E acredite: os efeitos em 3D são absurdamente fascinantes.

O Filme começa apresentando o talentoso neurocirurgião Stephen Strange, com toques de confiança e arrogância um pouco menores do que a origem do personagem da HQ, mesmo assim não descaracterizando em nada o mago muito bem interpretado pelo talentoso Cumberbatch.


A história é bem linear e como visto nos trailers, conta a origem, apresenta os personagens, vilões e poderes de uma forma simples, compressível para fãs e não fãs. O filme situa-se no mesmo universo onde os Vingadores já são heróis conhecidos e essa (além de umas outras) conversas e referências deixa isso bem claro: ESTAMOS NO UNIVERSO MARVEL!

Antes de começar a escrever com mais detalhes (ABAIXO, COM SPOILERS), gostaria de deixar claro que gostei muito do filme, ficando facilmente entre o TOP 3 dos melhores filmes da Marvel.
Nota 9 com certeza!

[COMENTÁRIOS ABAIXO COM SPOILERS]

Primeiramente, gostaria de parabenizar o diretor Scott Derrickson que acertou no tom do filme. Do início ao fim e nas DUAS cenas pós créditos!

Como vimos desde os primeiros trailers, Tilda Swinton – muito talentosa e com presença de cena sempre – foi escalada para o papel do Ancião. Mesmo com a diferença de gênero e nacionalidade do Ancião das HQs, Tilda arrasa e pisa na cara da crítica, com uma bela interpretação.


Cumberbatch, como esperado, está muito a vontade no papel do Dr. Estranho. Ele mesmo durante o filme pede que seja chamado de DR., algumas vezes rendendo lances engraçados. Os toques sutis de humor no filme, completaram (desnecessariamente para alguns) a personalidade do Dr. Estranho.
Personagens como Mordo (o sempre marcante Chiwetel Ejiofor) e o vilão Kaecilius (o dinamarquês Mads Mikkelsen) tem personalidade e objetivos definidos.

Mordo inclusive já deixa o caminho pronto para se tornar o vilão Barão Mordo. Inimigo original do Dr. Estranho nos quadrinhos.
Rachel McAdams é o interesse romântico do Dr., mesmo não existindo nas HQs, a atriz faz o seu papel bem feito nos momentos em que aparece “ancorando” sempre Estranho no mundo real.

A origem e uso das relíquias - sempre importantes na história do personagem - também são muito bem mostradas e desenvolvidas. O Manto da Levitação praticamente é um personagem!

As batalhas e lutas com coreografias e efeitos incríveis me agradaram muito, inclusive a descrição e construção dos “Sanctuns” pelo mundo. As cenas onde as realidades e os seus desdobramentos são mostrados são incríveis!


A trilha sonora de Michael Giacchino também caiu como uma luva.

Pra encerrar, gostaria de dizer que a cena onde Dr. Estranho vai até a dimensão do Dormammu para barganhar é perfeita no que se refere a um roteiro bem escrito, onde o personagem vence não pelo poder, mas pela inteligência confirmando exatamente o motivo dele ter sido escolhido para ser o novo Mago Supremo.


Recomendo assistir mais de uma vez, como disse lá no início para que toda a experiência e detalhes sejam aproveitados ao máximo.

Comentem por favor, gostaria de saber suas impressões também!




Dr. Estranho | Resenha e crítica Dr. Estranho | Resenha e crítica Reviewed by F3 on 19:45 Rating: 5