Banner Topo


Trono de Ferro e os 21 Reis e Rainha que já passaram por ele

O Trono de Ferro é o assento dos Reis dos Sete Reinos, de todo continente de Westeros, como vimos nas Crônicas de Gelo e Fogo.
Na lista a seguir veremos os reis (e rainha) que já passaram pelo trono e uma breve descrição de cada um.



O Trono de Ferro foi construído por Aegon I Targaryen, o primeiro Rei dos Sete Reinos. Aegon, o Conquistador ordenou a construção de um Trono com as espadas fundidas dos inimigos que venceu; supostamente, mil lâminas foram utilizadas, aquecidas pelo fogo soprado pelo dragão Balerion; a forja levou cinquenta e nove dias.

Os 21 Reis e Rainhas que já passaram pelo TRONO DE FERRO são:


1º- Aegon I Targaryen: Também conhecido como Aegon, o Conquistador ou Aegon, o Dragão; foi o primeiro Senhor dos Sete Reinos e rei sobre o Trono de Ferro, tendo conquistado seis dos Sete Reinos em sua guerra de conquista, logo depois fundando a dinastia Targaryen de Westeros. Aegon era claramente ambicioso, era descrito como alto, de ombros largos, e poderoso em aparência com seus olhos roxos e um curto cabelo prateado e dourado. Era um excelente guerreiro que tinha uma espada chamada Blackfyre e voava em seu dragão somente para batalha ou viagem. Aegon morreu trinta e sete anos depois de se estabelecer em Westeros.



2º- Aenys I Targaryen: Com a morte de Aegon, seu filho mais velho Aenys, tornou-se o segundo rei de Westeros. Aenys era alto como o pai, mas mais afável e sonhador. Era considerado um fraco, sua ascensão ao Trono de Ferro, após a morte de seu pai Aegon, fez eclodir a Revolta da Fé Militante, um levante liderado pela Fé dos Sete contra a a Casa Targaryen que usava como alegação o fato de Aenys ser nascido do incesto. Aenys se mostrou indeciso e frágil durante a crise, e foi incapaz de tomar uma ação efetiva contra ela. A maior parte da responsabilidade caiu sobre os ombros de seu meio-irmão Maegor, a Mão do Rei. Após a morte do pai deles, Aenys deu a Maegor a espada Blackfyre, admitindo a todos reunidos que ele não se comparava ao irmão como guerreiro. Aenys morreu após reinar por apenas cinco anos, mesmo tendo um filho, foi sucedido por Maegor.



3º- Maegor I Targaryen: Também chamado de Maegor, o Cruel, foi soberano dos Sete Reinos e o terceiro Targaryen a se sentar no Trono de Ferro. Era filho de Aegon, o Conquistador e Visenya Targaryen. Maegor era grande, maior do que seu pai. Um guerreiro, com ombros largos, pescoço grosso e braços fortes. Seu reinado começou com a misteriosa morte de seu meio-irmão e antecessor, Aenys I. Corvos voaram, declarando um novo rei havia sido coroado e que aqueles que o desafiassem sofreriam uma morte de traidores. O inimigo que desafiou Maegor foi a Fé Militante. Maegor montou seu dragão Balerion e partiu para Porto Real, para esmagar a revolta. Aterrissando na colina de Visenya, ele fincou seu estandarte, reunindo seus seguidores. Visenya desafiou aqueles que questionassem o direito de seu filho de governar. Este desafio foi aceito pelo capitão dos Filhos do Guerreiro. Sor Damon Morrigen desafiou Maegor a um Julgamento de Sete, que Maegor aceitou. Sor Damon e seis Filhos do Guerreiro lutaram contra o rei e seus seis campeões. No final, apenas Rei Maegor foi deixado vivo. 
Os outros treze participantes estavam mortos. Maegor foi encontrado morto sentado no Trono de Ferro, com suas vestes cobertas de sangue e seus pulsos cortados. Alguns dizem que ele foi morto por um cavaleiro de sua própria Guarda Real, que já não podia suportar a sua tirania, outros dizem que ele foi morto por um construtor que escapou do massacre e desejava vingança, e alguns sussurram que Maegor tinha sido morto pelo próprio trono. A explicação mais provável, porém, é que Maegor se matou abrindo seus pulsos nas lâminas do Trono de Ferro. Ele morreu sem deixar filhos.



4º- Jaehaerys I Targaryen: Também conhecido como o Conciliador, o Sábio ou o Velho Rei, foi o quarto rei Targaryen dos Sete Reinos. Jaehaerys foi um cavaleiro talentoso, um guerreiro digno e acima de tudo sábio além de seus anos. Ele foi decisivo tanto em pensamento quanto nas suas ações, buscando sempre os fins mais pacíficos. Jaehaerys herdou do reinado de seu tio uma guerra com a Fé Militante, conhecida como a Insurreição da Fé Militante. Maegor tinha usado métodos brutais para erradicar a rebelião, como a colocação de recompensas sobre as cabeças de todos os membros da Fé Militante, mas a rebelião continuou. Jaehaerys pacificou a rebelião com a oferta de anistia para todos os participantes e da dissolução da Fé Militante. A oferta foi aceita e as ordens dissolvidas sob a condição de que o Trono de Ferro sempre defenderia a Fé dos Sete. Jaehaerys foi casado com sua irmã Alysanne, com quem teve treze filhos, embora apenas nove viveram até a idade adulta. Ele tinha 69 anos quando morreu. Seu corpo foi queimado no Fosso dos Dragões e suas cinzas enterradas embaixo da Fortaleza Vermelha. O reinado de Jaehaerys é lembrado como o período mais próspero na história da monarquia Targaryen. Seu reinado trouxe paz, estabilidade e justiça para os Sete Reinos, sendo lembrado, possivelmente, como o melhor rei que Westeros já viu. Quando morreu toda Westeros lamentou, até mesmo Dorne.



5º- Viserys I Targaryen: Foi o quinto Targaryen a se sentar no Trono de Ferro e reinar sobre os Sete Reinos, sucedeu seu avô, Jaehaerys. O Rei Viserys I fez um bom governo, e continuou com a paz próspera deixada por seu avô. Teve três filhos com sua primeira esposa, pórem apenas um chegou a idade adulta; sua filha, a Princesa Rhaenyra. Sem um filho para sucedê-lo, Viserys começou a preparar a Princesa Rhaenyra para que ela fosse a primeira Rainha Reinante de Westeros. Viserys se casou novamente e teve mais três filhos (Aegon, Aemond e Daeron), porém Rhaenyra permaneceu como sua herdeira, sendo esta decisão confirmada em seu testamento. Quando Viserys morreu, sua morte foi ocultada por um longo período pela rainha viúva (Alicent Hightower), enquanto esta se preparava para enfrentar Rhaenyra na questão sucessória. Por fim, O Senhor Comandante da Guarda Real, apoiado pela Sra. Hightower, coroou o seu filho, Aegon II, como rei. Isso levou a uma guerra civil que ficou conhecida como Dança dos Dragões.



6º- Aegon II Targaryen: Quando Viserys I, morreu, ele havia deixado claro que seu desejo era que a meia-irmã mais velha de Aegon, Rhaenyra, herdasse o Trono de Ferro. No entanto, Criston Cole, Senhor Comandante da Guarda Real e depois conhecido como o Fazedor de Reis, desafiou a vontade de Viserys I e coroou Aegon II como rei. Rhaenyra se recusou a aceitar que usurpassem seu direito e entrou em guerra com o irmão. O reino se dividiu em duas facções, os Verdes (lado de Aegon e da Rainha Alicent) e os Negros (partidários de Rhaenyra), que entraram em confronto na primeira guerra civil da Dinastia Targaryen, a chamada Dança dos Dragões. 
Quando Rhaenyra conseguiu tomar Porto Real e o Trono de Ferro, o Rei fugiu para Pedra do Dragão disfarçado de plebeu, onde conseguiu seduzir diversos Negros para o seu lado, tomando o controle da ilha. Quando Rhaenyra teve de fugir de Porto Real após o Assalto ao Poço dos Dragões, ela se dirigiu ao lugar onde pensava que estaria segura: Pedra do Dragão. Sem saber que seu maior inimigo a esperava, ela foi capturada, julgada como traidora e devorada pelo dragão de Aegon, Sunfyre. Aegon foi envenenado por seu próprio pequeno conselho, chegando assim ao fim da Dança dos Dragões.



7º- Aegon III Targaryen: Também conhecido como Aegon, o Jovem, e depois como Aegon Veneno de Dragão, era filho de Rhaenyra Targaryen. Sua mãe esperava herdar o Trono após a morte de Viserys, mas viu seu meio-irmão mais jovem, Aegon II, ser coroado em seu lugar. Isso resultou na guerra de sucessão conhecida como Dança dos Dragões. Como Aegon II não deixou herdeiros, Veneno de Dragão foi coroado rei. Ele estava sempre vestido de preto, e possuía uma corrente de ouro com o dragão de três cabeças em volta do pescoço. Era pálido, esguio e nunca sorria devido ao fato de ter presenciado a morte de sua mãe quando criança. 
Como rei, Aegon III governou bem os Sete Reinos, apesar de ser frequentemente culpado pela morte do último dragão devido ao horror que ele adquiriu das criaturas após a Dança dos Dragões. Apesar de os meistres da Cidadela provavelmente terem sido os responsáveis pelo acontecimento, Aegon ficou conhecido como Veneno de Dragão. Apesar disso, em algum momento nove magos cruzaram o oceano para tentar chocar os ovos de dragão que o rei tinha em seu poder.



8º- Daeron I Targaryen: Também conhecido como O Jovem Dragão, foi o filho mais velho de Aegon III Targaryen e o oitavo rei Targaryen a se sentar no Trono de Ferro. Ascendeu ao trono com quatorze anos e é famoso por ter invadido Dorne.
Ele é considerado o o mais jovem rei a se sentar no Trono de Ferro, sendo chamado de o “Rei Garoto”. Daeron acreditava que o longo tempo de independência de Dorne representava um trabalho inacabado aos Targaryen, e com sua ascensão ele prometeu retificar o erro de seus antepassados. Ao subir ao trono, Daeron estabeleceu a conquista de Dorne, tornando-se, então, o primeiro rei a conquistar Dorne e unificar os Sete Reinos. Infelizmente, a conquista ainda não estava estabelecida. Em uma quinzena, uma hábil armadilha matou o administrador, Lorde Tyrell, que Daeron havia deixado para administrar Dorne. Sua morte desencadeou uma grande rebelião que acabou com a submissão da província. O rei perdeu quarenta mil homens tentando reestabelecer a conquista, culminando em sua própria morte durante a batalha. Na época ele tinha apenas dezoito anos.




9º- Baelor I Targaryen: Baelor I, conhecido como Baelor, o Abençoado, ou Baelor, o Amado, foi o nono Targaryen a se sentar no Trono de Ferro e governar os Sete Reinos. Conhecido por sua religiosidade, Baelor era tão septão quanto rei. Era o segundo filho de Aegon III e subiu ao Trono depois da morte de seu irmão, Daeron, o Jovem Dragão.

No Grande Septo de Baelor em Porto Real há uma estátua dele. Nenhum outro rei da Dinastia Targaryen foi tão amado quanto Baelor, que amava os plebeus e os deuses de forma igual. Baelor era quieto e estudioso, e muito religioso na Fé dos Sete. Ele desejava se tornar septão, mas seu pai recusou que ele realizasse esse capricho e o obrigou a se casar com sua irmã Daena, como os Targaryen costumavam fazer. Baelor obedeceu, embora com relutância, mas se recusou a consumar o casamento. Baelor era um homem pacífico, devotado e religioso. Era muito magro e de aparência delicada devido aos seus constantes jejuns. Usava uma longa barba e cabelo loiro-platinado, típico dos Targaryen. Sua coroa era feita de flores e vinhas.

Alguns se lembram de Baelor como um homem santo, que rezava e jejuava fervorosamente para ter visões religiosas, e o honram devido às suas contribuições para a Fé, incluindo a construção do Grande Septo de Porto Real. Outros se lembram dele como um fraco, tolo, dado a alucinações e más decisões devido ao seu fanatismo excessivo.




10º- Viserys II: Viserys II subiu ao trono já com uma idade avançada, logo após a morte de seu sobrinho, o rei Baelor, o Abençoado. Viserys é pouco lembrado pela maioria do povo de Westeros, devido ao seu curto reinado, uma vez que sentou-se no trono por menos de um ano. Entretanto, na verdade, foi ele quem preservou a integridade do país durante os reinados de seus sobrinhos. Anteriormente serviu como Mão do Rei durante o reinado de seus sobrinhos Daeron I e Baelor I. 
Foi ele o responsável por manter a força e a unidade do reino enquanto Daeron guerreava e Baelor rezava. Existem rumores de que ele teria envenenado o estúpido pedreiro que o sobrinho Baelor apontara como Alto Septão e posteriormente acabara envenenando o próprio sobrinho para acabar com suas loucuras.



11º- Aegon IV: Também onhecido como Aegon, o Indigno, foi o décimo primeiro Targaryen a se sentar no Trono de Ferro e é considerado o pior rei da história de Westeros. Ele gerou vários bastardos e os legitimou em seu leito de morte.Ele foi um governante corrupto e decadente que se entregava aos seus desejos e paixões sempre que podia. Atraente, era popular com as mulheres de alto e baixo nascimento
Teve no mínimo nove amantes e muitos bastardos. Supostamente, ele tinha qualquer mulher que quisesse, fosse casada ou não. As pessoas diziam que o lema da Casa Targaryen podia ser "Fogo e Sangue", mas o de Aegon IV era "Lave-a e traga-a para minha cama".Ao final de seu reinado, estava inchado e gordo. Seus olhos quase perdidos na gordura do rosto e as pernas fracas demais para sustentar a barriga. Possuía uma boca pequena e uma grande barba, que cultivava com a finalidade de esconder a gordura no pescoço e no rosto. Usava uma nova coroa, enorme e pesada, feita de ouro vermelho, com dragões esculpidos que possuíam olhos com pedras preciosas.



12º- Daeron II: Também conhecido como Daeron, o Bom, foi o décimo segundo Targaryen a se sentar no Trono de Ferro e governar os Sete Reinos. Foi durante o seu reinado que ocorreu a segunda guerra civil causada pelos Pretendentes Blackfyre, crise sucessória que só seria definitivamente resolvida no reinado de seu neto, Aegon, o Improvável. Daeron foi um rei respeitável. Tinha uma face pensativa e ombros arredondados, com pernas finas e barriga pouco proeminente. Sua expressão era tranquila, mas seus olhos claros emanavam determinação. Usava a ornamentada coroa de seu pai.Em suas moedas, o rosto está bem barbeado. Daeron, o Bom, não foi um guerreiro, mas sim um homem culto e erudito que se cercava de meistres e outros estudiosos.



13º- Aerys I: Aerys era um intelectual. Era magro e baixo, com um longo e liso cabelo. Tinha um rosto fino e comprido e uma longa barba pontuda. Usava a coroa de Aegon, o Indigno, e, em suas moedas, era retratado com barba.Ele nomeou seu tio Brynden Rivers para ser Mão do Rei e governar o reino enquanto ele se ocupava com livros e estudos. Era um homem estudioso que preferia ler a governar, de modo que se dizia pelos Sete Reinos que "Aerys preferia um livro em sua cama ao invés da esposa". Devido ao fato de seu casamento com a irmã Aelinor não ter resultado em filhos, ele foi sucedido em 221DD por seu irmão Maekar. 
Durante o reinado de Aerys I, o reino sofreu uma grande seca. Viajar era muito menos seguro no reinado de Aerys do que tinha sido no reinado do pai, Daeron. Para completar, as Ilhas de Ferro, sob o comando de Dagon Greyjoy, se aproveitaram do caos da epidemia e da preocupação do Trono de Ferro com os Pretendentes Blackfyre e Açamargo, e assolaram a Ilha Bela, a Árvore e até mesmo o Norte.

Victarion Greyjoy, um descendente de Dagon, se lembra de Aerys como "um rei fraco" cujos "olhos estavam fixados para lá do Mar Estreito onde bastardos e exilados tramavam rebeliões". Aegon, o Improvável se lembrava que o Rei Aerys havia lido sobre o retorno dos dragões numa profecia.




14º- Maekar I: Tinha uma constituição poderosa e uma barba que enquadrava o rosto. Os olhos eram violeta e os cabelos de um loiro-pálido quase branco. Tinha um olhar poderoso e marcas de varíola no rosto Maekar I foi soberano dos Sete Reinos e o décimo quarto Targaryen a se sentar no Trono de Ferro. Era o quarto filho do Rei Daeron II e recebeu a senhoria do castelo de Solarestival. Um comandante de batalha capaz, Maekar serviu durante a Rebelião Blackfyre. Após uma série de mortes inesperadas na família real, ele herdou o Trono de Ferro em 221DD e governou até 233DD, quando pereceu em combate contra um senhor rebelde.Durante a Rebelião Blackfyre, Maekar serviu como um dos comandantes das forças lealistas. Era dele a parede de escudos que conteve o ataque de seu tio, Açamargo, na Batalha do Campo do Capim Vermelho. 
Quando seu irmão Baelor Quebralanças atacou o exército rebelde pela retaguarda a batalha foi vencida. Depois uma canção foi feita sobre o confronto, chamada de "O Martelo e a Bigorna", sendo Baelor o martelo e Maekar a bigorna. No entanto, Maekar se sentiu menosprezado. A vitória foi mais atribuída ao seu irmão e aos erros de Daemon Blackfyre do que aos seus esforços. Em outras coisas, ele também sempre foi mantido à sombra de seus irmãos, o que feriu seu orgulho.Em 208DD um torneio foi realizado em Vaufreixo. Maekar esteve lá pare ver seus filhos Daeron e Aerion competirem. Seu quarto filho, Aegon era escudeiro de Daeron. 
O torneio mostrou-se desastroso para Maekar e seus filhos. Daeron bebeu até cair durante o percurso até Vaufreixo, Aegon entrou disfarçado para o serviço do cavaleiro de cerca Duncan, e Aerion trouxe desonra a si mesmo durante a justa ao matar o cavalo do oponente. Quando Dunk atacou Aerion e este exigiu um julgamento por combate, Maekar se pôs ao lado do filho, exigindo vingança, além de acreditar nas acusações de Daeron que dizia que Dunk havia sequestrado Aegon. 
Durante o Julgamento de Sete, Maekar confrontou seu irmão, Baelor, que lutava por Dunk, e desferiu um golpe mortal em sua cabeça. Baelor sobreviveu ao julgamento, mas morreu logo após retirar o seu elmo. Depois daquilo, Maekar achava que seria considerado um fratricida.

Lidando com o problema com seus filhos, Maekar baniu Aerion para as Cidades Livres e ofereceu a Dunk uma posição em sua guarda pessoal para que o cavaleiro pudesse continuar tendo Aegon como escudeiro. Dunk disse que continuaria com Aegon, contanto que pudesse continuar como cavaleiro de cerca. Após refletir, Maekar enviou Aegon para servir a Dunk [1].Com a Grande Praga da Primavera, o Rei Daeron II e os filhos de Baelor morreram. O irmão de Maekar reinou como Aerys I e convidou seu tio, Corvo de Sangue para ser Mão do Rei. Maekar esperava ser a nova Mão e não podia conviver com Corvo de Sangue, então retornou para seu castelo de Solarestival.

Depois da morte de Aerys, Maekar herdou o Trono de Ferro e prendeu Corvo de Sangue. O verão durou sete anos de seu reinado, e alguns pensavam que seria o Grande Verão. Porém, logo seguiu um curto outono e um frio e longo inverno. 
Maekar governou até 233DD quando caiu em batalha ao enfrentar um senhor rebelde desconhecido, possivelmente um apoiador Blackfyre ou Lorde Lothston. Após sua morte, surgiu uma crise sucessória e um Grande Conselho, que escolheu seu filho Aegon para ser rei.




15º- Aegon V: Ele se tornou rei depois que o Grande Conselho rejeitou outros candidatos que estavam à sua frente na linha de sucessão, e depois que seu irmão mais velho, Aemon, recusou o trono. Sendo quarto filho de Maekar I, que também era um quarto filho, Aegon recebeu a alcunha de "Aegon, o Improvável". Aegon foi coroado Rei dos Sete Reinos quando tinha trinta e três anos. De acordo com Aemon, Aegon apesar de já ser um homem crescido e com filhos, continuava sendo meio menino, com uma inocência e doçura que todos amavam. 
Aegon esvaziou as masmorras da Fortaleza Vermelha para que acompanhassem seu irmão até a Muralha. Chamava-a de "guarda de honra". Entre os libertos estava o tio, Corvo de Sangue, que mais tarde se tornou Senhor Comandante da Patrulha da Noite. Durante o reinado de Aegon ele nomeou seu velho amigo, Sor Duncan, como Senhor Comandante da Guarda Real. Barristan Selmy disse que Aegon V se casou por amor, e todos os seus três filhos fizeram o mesmo em desafio aos desejos do pai. Aegon cedeu, o que lhe rendeu inimizades amargas. Surgiram intrigas de traição e tumulto que culminaram em Solarestival, em feitiçaria, fogo e dor. 
Aegon morreu no incêndio em Solarestival, o palácio de verão dos Targaryen, devido a uma tentava de chocar ovos de dragão. Seu filho, Príncipe Duncan, o Baixo, e o Senhor Comandante Duncan da Guarda Real também morreram ali. O evento ficou conhecido como Tragédia de Solarestival.




16º- Jaehaerys II: Assim como seus irmãos, ele se casou por amor, recusando um casamento arranjado. Ele, no entanto, após ouvir uma profecia realizada por uma bruxa do bosque para Jenny de Pedravelhas, que dizia que o príncipe prometido nasceria da linhagem do príncipe Aerys e da princesa Rhaella, ordenou seus filhos se casassem um com outro. O filho primogênito, Rhaegar, nasceu no ano de 259DD, no mesmo dia em que a tragédia de Solarestival ocorreu.
Devido ao seu estado de saúde delicado, Jaehaerys foi considerada fraco por muitos, mas Sor Barristan Selmy, a quem ele promoveu à Guarda Real, pensava diferente. O reinado de Jaehaerys durou apenas três anos, mas reinou bem naqueles anos curtos. Era um homem amável, inteligente e doente que morreu com a idade de trinta e nove anos.



17º- Aerys II, O Rei Louco: Em sua juventude, Aerys II era charmoso, generoso, amável e decidido, embora facilmente irritável. Quando ficou mais velho, se tornou cada vez mais ciumento, desconfiado e crueal, suscetível a crises fulminantes de fúria. Após o Desafio de Valdocaso, essas características se tornaram mais pronunciadas. Começou a ver sinais de rebeldia e conspiração contra ele por todos os lados e passou a aplicar punições sádicas em todos os seus supostos inimigos. Desenvolveu uma fascinação pelo fogo, que chegava a excitá-lo sexualmente. De fato, quando Aerys entregava um inimigo às chamas, fazia uma visita ao leito da rainha, sua irmã-esposa Rhaella Targaryen. Os abusos do rei foram uma das razões para o casamento infeliz que os dois tiveram. 
Perto do fim de sua vida, a loucura de Aerys transformara sua aparência. Mesmo com quarenta anos, ele aparentava seu muito mais velho. Com medo de ser envenenado, ele comia pouco, o que o tornou esquelético. Como se cortava nas farpas do Trono de Ferro, desenvolveu fobia à qualquer tipo de lâmina e proibiu que qualquer um as portasse em sua presença, exceto os membros de sua Guarda Real. Devido à essa fobia ele não cortava os cabelos. Suas unhas cresceram sem corte e seus cabelos e barba se penduravam em tranças selvagens. Ele usava a elaborada coroa de Aegon, o Indigno.
O reinado de Aerys começou em 262DD com grande promessa. No decorrer de uma dúzia de pacíficos anos, o reino se recuperou dos trágicos eventos em Solarestival e se tornou mais forte e próspero. Porém, problemas surgiram e modificaram o governo de Aerys e o caráter do próprio rei.

Sob os governos de seu pai e avô, a corte real em Porto Real havia crescido conservadora. Aerys impressionou com suas mudanças, substituindo velhas e tacanhas figuras por rostos mais jovens e promissores. Impressionado com o jeito implacável do jovem Tywin Lannister em lidar com uma rebelião de seus vassalos, o rei nomeou-o sua Mão.

No entanto, Aerys veio a se arrepender de sua escolha - não devido à falta de competência por parte de Tywin, mas sim o contrário. O Lannister provou ser um brilhante administrador, e sua popularidade e fama se alastrou por entre o povo de modo que começaram a falar que era Tywin, e não Aerys, que governava o reino. O capitão da guarda de Tywin, Sor Illyn Payne, teve a língua arrancada com tenazes quentes por repetir esse boato. Invejoso e temeroso, Aerys decidiu depender menos de Tywin. 

Em 276DD, Lorde Tywin organizou um torneio em honra ao rei. Ele pretendia unir a Casa Lannister à Casa Targaryen através da união do Príncipe Rhaegar com sua filha, Cersei Lannister. Porém, Aerys temia o poder e ambição de Tywin e rejeitou rudemente a oferta, dizendo que seu filho não se casaria com a filha de seu servo. Tywin nunca esqueceu aquele insulto.A primeira vez que Aerys deixou a Fortaleza Vermelha após o Desafio de Valdocaso foi para assistir o Torneio de Harrenhal em 281DD. Ele só o fez devido ao aviso de Varys, que disse que o Príncipe Rhaegar planejava utilizar o torneio para reunir apoiadores e tomar o trono do pai. Um cavaleiro misterioso, o Cavaleiro da Árvore que Ri, competiu no torneio. Acreditando que o cavaleiro escondia sua identidade por ser inimigo da coroa, Aerys ordenou que Rhaegar descobrisse sua identidade, mas nenhuma evidência foi encontrada. Rhaegar venceu o torneio e, chocando todos os presentes, coroou Lyanna Stark como Rainha do Amor e da Beleza no lugar de sua esposa, a Princesa Elia.Ele ordenou aos seus piromantes que criassem uma grande reserva de fogovivo, tramando incendiar a cidade e reduzi-la a cinzas, matando meio milhão de habitantes para que Robert não a conquistasse. 
Quando Lorde Chelsted descobriu isso, confrontou Aerys e tentou dissuadi-lo dessa loucura. Frustrado, ele jogou a corrente de Mão nos pés de Aerys, e por isso foi queimado vivo. Os alquimistas haviam subido muito nos favores do rei Aerys desde o Desafio de Valdocaso devido ao interesse do rei pelo fogovivo, de modo que Aerys apontou seu líder, Rossart, como Mão.
Com o desfecho da Batalha do Tridente, na qual o Príncipe Rhaegar foi assassinado e o exército lealista, derrotado, a vitória rebelde parecia certa. Aerys enviou a Rainha Rhaella (que estava grávida de Daenerys) e o Príncipe Viserys para Pedra do Dragão para sua segurança. Apesar disso, ele manteve a Princesa Elia e seus filhos, Rhaenys e Aegon na Fortaleza Vermelha, acreditando que isso garantiria a lealdade da Casa Martell e de Dorne. Essa decisão temerária resultou na morte de boa parte da família real nas mãos de Sor Amory Lorch e Sor Gregor Clegane. Horas antes da vanguarda do exército rebelde, encabeçada por Eddard Stark, chegar em Porto Real, doze mil ocidentais se apresentaram nos portões da cidade. Tywin Lannister declarou sua lealdade ao Rei Aerys e pediu que os portões fossem abertos. Varys alertou o rei para que não atendesse ao pedido, mas o Grande Meistre Pycelle, que acreditava que a guerra já fora perdida pela Casa Targaryen, convenceu o rei a abrir os portões da cidade.
Assim, o Rei Louco ordenou seu último ato de loucura e abriu sua cidade aos leões que estavam à porta. 
Os Lannister iniciaram seu saque em nome do Rei Robert. Percebendo que o fim havia chegado, Aerys ordenou a Rossart que iniciasse a destruição da cidade. O único cavaleiro da Guarda Real na cidade era Sor Jaime, então coube a ele a defesa da Fortaleza Vermelha. Ele pediu ao Rei Aerys poderes para tentar uma rendição, mas o rei ordenou que ele matasse o próprio pai. Jaime também descobriu que Rossart estava pronto para incendiar a cidade. Jaime era o único além de Aerys e dos piromantes que sabia sobre a conspiração, e decidiu impedir aquela tragédia. Ele encontrou Rossart e o matou, partindo em seguida para a sala do trono. Lá, ele matou Aerys, garantindo que suas ordens não alcançassem outro piromante.



18º- Robert Baratheon: Foi um guerreiro renomado. Na sua juventude, ele foi descrito como alto, de ombros largos e musculoso como a fantasia de qualquer donzela. Ele mantinha a barba bem cortada e era conhecido pelo seu charme, personalidade extrovertida, sociável, e a notável capacidade de transformar inimigos em amigos. De acordo com Eddard Stark, Robert era capaz de prometer qualquer coisa a uma mulher durante a noite e esquecer-se de tudo (incluindo ela mesma) de manhã. Robert se apaixonou pela irmã de Eddard, Lyanna, que foi prometida a ele por seu pai, Lorde Rickard Stark. Posteriormente Lyanna aparentemente foi sequestrada e levada pelo príncipe Rhaegar Targaryen. 
O sequestro colocou em movimento uma cadeia de eventos que levam a Rebelião de Robert. Robert começou a runir seus vassalos em Ponta Tempestade, mas ele estava separado de seus aliados do Norte. Além disso, alguns de seus vassalos decidiram permanecer leais ao trono, e começaram a reunir sua força em Solarestival. Durante a tentativa de vincular-se com as forças do Norte, Robert sofreu uma derrota na Batalha de Vaufreixo e mais tarde foi preso na cidade de Septo de Pedra. Um exército Targaryen, eventualmente, liderado por Lorde Jon Connington chegou e começou a procurar por Robert na cidade, Robert foi salvo quando uma força rebelde do Norte se juntou a ele, e a Batalha dos Sinos começou. Ele liderou as forças combinadas de Baratheon, Stark, Arryn, Tully e para a vitória sobre as forças reais lideradas por Rhaegar na Batalha do Tridente, e pessoalmente matou o príncipe herdeiro, garantindo uma vitória. 
A reivindicação de Robert para o Trono de Ferro dos Sete Reinos foi baseada em sua avó sendo Rhaelle Targaryen, filha do Rei Aegon V, dando-lhe assim uma reivindicação muito mais forte para o trono do que os Arryn, Tully ou Stark. Ele começou seu reinado casando-se com Cersei Lannister em um casamento político destinado a trazer estabilidade para o reino. O casamento não foi feliz. Durante sua noite de casamento, Robert, enquanto estava bêbado, acidentalmente sussurrou, "Lyanna," um ato que lhe valeu o ódio de sua nova esposa. A rainha secretamente o traiu com seu irmão Jaime, matando a semente de Robert e sua esperança de herdeiros. Cersei deu três filhos: Joffrey, Myrcella e Tommen. Em sua infelicidade Robert ia beber, festejar e dormir com outras mulheres. Desta forma, ele teve vários filhos bastardos.



19º- Joffrey Baratheon: Joffrey nasceu do incesto entre a Rainha Cersei e seu irmão Sor Jaime. A verdade do seu nascimento, entretanto, foi mantida em segredo, inclusive do Rei Robert, e foi apresentado ao mundo como filho legítimo deste, e herdeiro ao Trono de Ferro. Cresceu como uma mimada e indulgente criança, com impulsos cruéis. Robert nunca questionou a paternidade do garoto, porém é claramente apontado nos livros que o Rei sentia-se decepcionado com o 'filho', e guardava pouca afeição para com Joffrey. 
Em contraste, é sugerido nos livros que Joffrey desejava muito o respeito e aprovação de Robert, e muitos de seus atos foram realizados num esforço para tentar atender às expectativas de seu 'pai'. Numa ocasião, ao saber que uma gata estava prenha, Joffrey matou o animal a cortou sua barriga para ver os gatinhos dentro. Ele mostrou um dos fetos mortos a seu pai. 
Robert ficou tão chocado e bravo que bateu tão forte no garoto, arrancando-lhe dois dentes-de-leite. Era descrito como tendo um gênio muito forte quando criança e possuía um temperamento incontrolável - não diferente de sua mãe - além de impulsos sádicos. Tem pouco senso de certo e/ou errado, o que sempre o deixa em problemas, especialmente quase perde a calma e as coisas dão errado, sempre culpa outros por seus erros. 
Apesar de seu gênio forte, é muito displicente, cruel e não muito inteligente - características que, combinadas, o tornam pendente a julgamentos ruins e irracionais. Joffrey possui os traços Lannister de seus pais, alto para sua idade, com cabelos loiros encaracolados, e é bonito. Possui olhos verde-claros, lábios cheios e um olhar de desdém. Joffrey foi originalmente prometido a Sansa Stark, a quem ele manteve em cativeiro em Porto Real depois de ter decapitado seu pai Eddard Stark por traição, por que o mesmo tentou revelar a verdade sobre sua paternidade. No entanto, mais tarde ele troca Sansa por Margaery Tyrell, como parte da nova aliança entre a Casa Lannister, os principais patrocinadores de Joffrey, e a Casa Tyrell, a casa governante da Campina, cujo apoio ajudou a salvar a Porto Real do ataque de Stannis Baratheon. Em seu casamento com Margaery Tyrell, Joffrey é assassinado ao beber vinho envenenado.



20º- Tommen Baratheon: Nos livros, após a morte de Tywin Lannister, com sua mãe Cersei atuando como Rainha Regente, Tommen atua como Rei. Sua principal e favorita atividade é colocar o selo real em qualquer documento colocado em sua frente. Cersei incomoda-se com sua natureza mansa e fácil, frequentemente comparando-o com seu irmão Joffrey. Após seu casamento com Tommen, entretanto, Margaery começa a influenciá-lo a resistir comandos de sua mãe.



21º- Cersei Lannister: Cersei é, em sua própria opinião, uma política astuta e gosta de ver a si mesma como a verdadeira herdeira de seu pai e se ofende quando questionam suas ordens. Seu temperamento explosivo e orgulho ferido a levam a tomar decisões precipitadas com frequência, e ela raramente considera as consequências de seus atos. Não tem paciência para lidar com os detalhes tediosos (ainda que vitais) do governo, e procura cada vez mais evitar enfrentar os fatos desagradáveis, cercando-se de bajuladores ao invés de conselheiros honestos e competentes. Ironicamente, apesar de seu desprezo pelo estilo de vida de Robert e sua deterioração física, ela o imita inconscientemente, tendo o mesmo hábito de exagerar no vinho, na comida e no sexo para se distrair das pressões do governo. Embora compartilhe da filosofia de seu pai de governar através do medo em vez de procurar o amor de seus súditos, ela não tem capacidade de moderar crueldade com cautela e pragmatismo. 
Na série, após a morte de Joffrey durante seu casamento, Cersei acusa Tyrion de seu assassinato e leva um julgamento altamente tendencioso contra ele. Tyrion foi considerado culpado, mas escapa com ajuda de Jaime e Varys, matando seu pai no processo. Com Tywin e Tyrion fora, e Jaime enviado para Dorne com o intuito de trazer Myrcella para As Terras da Coroa, Cersei assume o governo do reino. Determinada a destruir a Casa Tyrell, Cersei estabelece a Fé Militante, variação extremista da Fé dos Sete e tem Loras Tyrell preso por sua sexualidade. Quando Margaery dá falso testemunho para libertar seu irmão, também é presa. 
No entanto, o triunfo de Cersei é de curta duração, visto que ela também é presa pela fé sob a acusação de incesto, adultério e regicídio. Como penitência, ela é obrigada a realizar uma caminhada da vergonha nua pelas ruas de Porto Real, e está para ser julgada por seus crimes. 
Cersei e Qyburn investigam sobre o fogovivo que Aerys mandou colocar abaixo do Grande Septo de Baelor durante a Rebelião de Robert, e planejam explodir o Septo no dia de seu julgamento, o plano funciona e o Septo explode com todos presentes nele incluindo os membros da Fé Militante e a Rainha Margery Tyrell, após a explosão do Septo e o suicidio do Rei Tommen, Cersei assume como Rainha dos Sete Reinos no Trono de Ferro.
Trono de Ferro e os 21 Reis e Rainha que já passaram por ele Trono de Ferro e os 21 Reis e Rainha que já passaram por ele Reviewed by F3 on 19:41 Rating: 5